id apetece-me: ideias rápidas sobre os gostos. Porque é mal se me apetece? O que fazer quando o racional não apetece?
APETECE-ME
1. Qual é o mal, se me apetece? Porque nem tudo o que apetece é bom. Juntamente à inclinação natural para o bem temos uma patente inclinação para o mal, a qual devemos dominar. Esta tendência para o mal começou com o pecado original.

2. O que é o pecado original? É aquele que cometeram Adão e Eva e que se tornou a origem dos restantes pecados. Quando eles desobedeceram a Deus, a natureza humana sofreu um duro golpe. Ficaram privados da amizade e intimidade divinas, perderam o paraíso e ficaram sujeitos à dor e à morte. Apareceu também a inclinação para o mal. E esta situação foi herdada por todos. Por isto, para fazer o bem temos de nos esforçar.

3. Não dizem que o Baptismo apaga o pecado original? Desse modo, recupera-se o principal: a amizade e filiação divinas e a possibilidade de ir para o céu. Mas a dor e a tendência para o mal permanecem. Não é pouco o que se recupera, sobretudo se se tem em conta que custou a Cruz de Cristo.

4. É bom rezar só quando apetece? Suprima-se a palavra "só". Uma pessoa corrente trabalha quando gosta e quando não gosta; preocupa-se com a sua família quando esta a entusiasma e quando não, etc. Da mesma forma se deve dedicar tempo a Deus quando apetece e quando não, pois o bem nem sempre apetece.

5. Que fazer quando não apetece fazer o que devo? A oposição entre razão - consciência - e apetites origina uma tensão interior devido à dificuldade que se encontra em ser coerente. A resposta correcta é optar pelo bem ainda que custe. Mas nem sempre se encontra este caminho, pois há várias possibilidades:

  • Faço o que gosto ainda que seja incorrecto. (É um erro).
  • Faço o que devo ainda que não apeteça. (É correcto, mas custa).
  • rocuro enganar-me modificando o racionável. (É um erro). Aqui inclui-se o caso daqueles que não querem pensar nem escutar -como se costuma dizer, não ouvem a razão-.
  • Procuro adequar os gostos para que sejam racionais. (É correcto).
6. Como modificar os gostos? Fazendo o que devo com boa cara. Ao realizar o bem, adquire-se facilidade para o repetir. Ao fazê-lo com alegria interior (boa cara) torna-se mais agradável (prazeres) realizá-lo. E a perseverança permite que a nova inclinação se enraíze na alma. Sobre tudo isto pode ver-se o tema sentimentos.

7. É sempre bom o racional? A inteligência humana também se pode enganar. Por isso é importante pedir conselho e saber escutar. No entanto, ao dizer "o racional" pressupõe-se um pensamento correcto, pois se fosse falso não se chamaria racional.

id